quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Guarani e Kaingang no Rio Grande do Sul por Priscila Costa da Silva Aristimunha

1 COMPREENSÕES SOBRE OS POVOS INDÍGENAS GUARANI E KAINGANG


A partir da leitura do livro “Povos Indígenas e Educação” e das aulas ministradas pela professora Maria Aparecida Bergamaschi, foi possível iniciar uma breve reflexão e compreensão a respeito dos povos Guarani e Kaingang. O povo Guarani tem sua origem na família tupi-guarani e é dividido em três parcialidades étnicas: o mbyá, o nhandeva e o kaiowá. Estes povos estão localizados principalmente nas regiões centro-oeste, sudeste e sul de nosso país.
Além de desfrutarem de uma língua dividida em três dialetos diferentes, estes povos agregam identidades sociopolíticas um tanto diversificadas, pela influência dos contatos vivenciados com as populações não-indígenas. Apesar disso, este povo evidencia uma grande unidade cultural mitocosmológica e artística. O povo guarani estabelece categorias de sentido muito específicas aos seus grafismos utilizando-os na cestaria, na pintura corporal, nas armas sempre se preocupando em evidenciar o meio ambiente e os seres da natureza, excluindo a representação da figura humana.
Quanto ao processo de conhecimento, o ato de escutar é algo próprio da aprendizagem guarani que os fazem refletir sobre as decisões a serem tomadas independentemente da idade que possuam. Além disso, a cura e o apoio fazem parte dos sentidos compartilhados por este povo. Quando uma pessoa está doente, todos da comunidade devem ter um acompanhamento ativo durante o tratamento desta. Apesar do Karaí (o grande educador na sociedade guarani) ser uma figura central na forma de aprendizagem, para os guaranis o ato de caminhar desenvolve a paciência, a coragem e consciência geográfica de distância.
Com relação ao povo Kaingang, este pertence à família jê do tronco macro-jê e está localizado nos quatro estados ao sul de nosso país (RS, SC, PR e SP). Sua população é uma das maiores de nosso país, atingindo cerca de 20.000 pessoas. Seus grafismos revelam uma percepção dual do cosmos, designadas Kamé e Kainru-kré, que são assimétricas e se complementam. Ao contrário dos povos guarani, os kaingang demonstram através de seus grafismos corpos e nomes, relações sociais, preocupação com o equilíbrio entre os opostos e a complementaridade. Os povos kaingang possuem uma economia baseada na caça, pesca, artesanato e agricultura complementar. O pinhão, abundante nas florestas de araucária presentes ao centro do RS são coletados entre os meses de março a maio e vendidos na beira de estradas.
As crianças kaingang estudam em escolas indígenas ou em escolas públicas municipais e estaduais. Aquelas que freqüentam as escolas indígenas são alfabetizadas em kaingang e português e as demais somente em português. Muitos dos jovens que passam pelo Ensino Fundamental chegam a uma universidade cursando Direito, Pedagogia, Ciências Sociais, Agronomia, Enfermagem, entre outros. Depois de formados, estes se dedicam a trabalhar pelo bem-estar de suas aldeias, nas escolas indígenas, postos de saúde, na FUNAI ou em ONGs.
Os kaingang dividem-se em dois grandes grupos denominados kamé e kanhru. As pessoas mais idosas, responsáveis pela transmissão de saberes dividem homens e mulheres, plantas e animais de acordo com a orientação do sistema dualista. Para estarem em equilíbrio as famílias devem ser compostas por casais onde homem e mulher pertençam a metades opostas. Porém, mesmo havendo estas relações de reciprocidade e complementaridade, podemos dizer que há uma assimetria, pois a metade kamé é considerada mais forte do que a kanhru.
Através desta pequena análise e reflexão torna-se possível perceber que os povos Guarani e Kaingang possuem inúmeras especificidades dentro de sua própria cultura e que cabe a nós estudantes buscar compreender estas diferenças através das leituras e trocas realizadas durante o decorrer desta disciplina.
(Texto escrito por Priscila Costa da Silva Aristimunha, da disciplina Povos indígenas, educação e escola da Faculdade de Educação da UFRGS).

5 comentários:

  1. acho que seu texto mistura um pouco de atividades do passado e presente dos povos, meio sem tempo, certo?

    ResponderExcluir
  2. a população de kaingangs no país não é de 20 mil pessoas

    ResponderExcluir